Sobre a ADPP Moçambique

Empoderando  pessoas!

A ADPP acredita que o desenvolvimento é, acima de tudo, sobre pessoas; e que quando estas são respeitadas, elas aumentam as suas capacidades e tornam-se a força motriz das mudanças que pretendem fazer.

A missão da ADPP é apoiar todas as pessoas para trabalharem em conjunto para um futuro melhor no qual todos têm a capacidade de perseguir as suas escolhas e sonhos e realizarem todo o seu potencial.

ADPP, Ajuda de Desenvolvimento de Povo para Povo é uma Associação Moçambicana que trabalha nas áreas Educação de Qualidade, Saúde e Bem-Estar, Meio Ambiente e Agricultura Sustentável.

Durante os seus 36 anos de existência, a ADPP tem permanecido fiel à sua missão de promover o desenvolvimento social e económico das pessoas mais vulneráveis da sociedade, dando uma atenção especial as crianças, órfãos, mulheres e raparigas.

Durante o ano de 2018 a ADPP empregou 2,900 pessoas nos 60 projectos em todas as províncias do país, com destaque para a formação de professores, segurança alimentar e prevenção e cuidados de HIV/SIDA e tuberculose. A cada ano, os projectos beneficiam mais de 2.5 milhões de moçambicanos. Para atingir as metas alcançadas em 2018, a ADPP contou com o trabalho de uma equipe de voluntários composta por 17,800 pessoas entre homens e mulheres.

A ADPP trabalha de acordo com os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas e adaptados pelo governo de Moçambique. Trabalhamos para erradicar a pobreza em Moçambique (ODS1), contribuindo para o alcance de uma educação primária universal (OSD4) através da criação de escolas comunitárias e programas de formação de professores; acabar com a fome (ODS2) melhorando a segurança alimentar nas zonas rurais através dos Clubes de Agricultores e Produtores; e, melhorar a saúde e o bem-estar (ODS3) através dos nossos programas de controlo das epidemias (de tuberculose e HIV/SIDA), bem como a combater  a malária e a desnutrição em grupos vulneráveis, com especial ênfase em raparigas e mulheres em situação de vulnerabilidade (ODS5).

Todos os Programas da ADPP baseiam-se na crença de que a verdadeira mudança acontece nos corações e mentes das pessoas, na sua interação com os outros e no contexto social e cultural de uma dada comunidade. A nossa abordagem holística e inclusiva melhora o bem-estar geral das comunidades que estão sempre no centro de seu próprio desenvolvimento. O papel central dado ao ser humano no processo de desenvolvimento é um dos valores humanísticos centrais da ADPP.

A Humana People to People

A Federação Humana People to People é uma rede de 30 associações sem fins lucrativos envolvidas em solidariedade, cooperação e desenvolvimento internacional.

Nascida de um movimento de educação progressista nos anos 1970, a Humana People to People tem, nas suas raízes, o compromisso de enfrentar alguns dos principais desafios humanitários, sociais e ambientais do mundo. Para tal, funciona como um colectivo, apoiando as pessoas a fazer mudanças, melhorar as suas vidas e ajudando a resolver os problemas que estas enfrentam.

A Federação de Associações ligadas ao Movimento Internacional Humana People to People foi formada em 1996 pelas então 16 associações nacionais na Europa e África, com o objectivo de fortalecer a cooperação e o impacto do seu trabalho. Hoje, a Federação Humana People to People tem 30 associações independentes como membros, nos cinco continentes, isto é, em África, Ásia, Europa, América do Norte e América do Sul.

Estes membros partilham um conjunto de valores para proteger o planeta, desenvolver as comunidades e apoiar as pessoas a unir forças e, assim, aumentar o seu potencial de mudança e acção positivas. Esses valores também são compartilhados pelos inúmeros parceiros internacionais que apoiaram este trabalho em 2018.

Em 2018, A Federação Humana People to People  realizou conjuntamente 1,134 projectos em torno dos temas de Agricultura Sustentável e Meio Ambiente, Desenvolvimento Comunitário, Saúde, Educação e, finalmente, Venda de Roupas em Segunda Mão.

A Agenda 2030 da ONU continua a orientar as actividades realizadas pela Federação Humana People to People e dos seus membros pelo que, juntamente com a comunidade internacional e líderes globais, continuaremos os nossos esforços para ajudar os países a alcançar os objectivos de Desenvolvimento Sustentável, na esperança de aliviar o sofrimento e criar mudanças positivas duradouras na população de todo o mundo.


Humana People to People e seus membros

Os nossos projectos

Cabo Delgado
  • educacao
  • saude
Cabo Delgado
Cabo Delgado
Cabo Delgado
Niassa
  • educacao
  • saude
  • agricultura
Niassa
Niassa
Niassa
Nampula
  • educacao
  • saude
  • agricultura
Nampula
Nampula
Nampula
Zambézia
  • educacao
  • saude
  • agricultura
Zambézia
Zambézia
Zambézia
Tete
  • educacao
  • saude
  • agricultura
Tete
Tete
Tete
Sofala
  • educacao
  • agricultura
Sofala
Sofala
Sofala
Manica
  • educacao
  • saude
Manica
Manica
Manica
Gaza
  • educacao
  • saude
Gaza
Gaza
Gaza
Inhambane
  • educacao
  • saude
Inhambane
Inhambane
Inhambane
Maputo
  • educacao
  • saude
  • agricultura
Maputo
Maputo
Maputo

SOBRE OS TRABALHOS FEITOS PELA ADPP

Please find in the map of Mozambique all the projects that ADPP Mozambique is currently running in the areas of education, health and agriculture. It is possible to navigate by province or by area of intervention to find all the information existing on our active projects.

PROVÍNCIA MAPUTO

educacao

Cidadela das Crianças: orfanato e escola para crianças dos 6-18

Formigas do Futuro: escola para crianças dos 6-15

70 Escolinhas: ensino pré-primário para crianças dos 3-5

saude

Escolas Secundárias: “No Caminho da Vitória” e “Patrice Lumumba” Matola, Província de Maputo

Promoção da Cidadania Activa Província de Maputo

Colégio Politécnico de Maputo Maputo, Província de Maputo

agricultura

Escola de Professores do Futuro 11 Escolas de Professores do Futuro

nutricao

Instituto Superior de Educação e Tecnologia /One World (ISET/OWU) Changalane, Província de Maputo

PROVÍNCIA MAPUTO

educacao

Hope: Maputo,

saude

Fundo Global para Combate ao Sida, Tuberculose e Malária,

agricultura

Malária nas populações móveis de MOSASWA e E5 Áreas fronteiriças das Províncias de Maputo, Manica e Tete.
Outros dados relevantes:: outros países envolvidos no projecto de eliminação da malária: África do Sul, Swazilândia, Botswana, Zimbabwe, Zâmbia.

PROVÍNCIA MAPUTO

educacao

Alimentos Para o conhecimento: Programa de Refeições Escolares 4 Distritos na Província de Maputo 2017
Orçamento: $ 3.756.200 Número total de beneficiários: 91.887 Outros dados relevantes: 12.707.918 refeições diárias produzidas em 267 cozinhas escolares, 227 das escolas alvo têm agora água limpa, 610 escolas estabeleceram clubes de aprendizagem extra-escolares e receberam materiais adicionais para melhorar a qualidade das atividades 5.000 crianças fizeram parte do programa de educação bilíngüe e aprenderam a ler em sua língua materna.

PROVÍNCIA GAZA

agricultura

Escola de Professores do Futuro 11 Escolas de Professores do Futuro

PROVÍNCIA GAZA

agricultura

Fundo Global para Combate ao Sida, Tuberculose e Malária,

agricultura

TCE Comunidade de Testagem Gaza

agricultura

Total Controlo da Tuberculose Zambézia & Nampula

TB no Sector Mineiro na África Austral (TIMS) Gaza 2017
Outros dados relevantes: Outros países envolvidos no projecto TIMS : Namíbia, Botsuana, África do Sul, Zâmbia, Tanzânia, Suazilândia, Lesoto.

PROVÍNCIA INHAMBANE

agricultura

Escola de Professores do Futuro 11 Escolas de Professores do Futuro

PROVÍNCIA INHAMBANE

agricultura

Hope
Orçamento de 2017: $2,823,900 Beneficiários: 558,075

PROVÍNCIA MANICA

agricultura

Escola de Professores do Futuro 11 Escolas de Professores do Futuro

agricultura

Formigas do Futuro: escola para crianças dos 6-15 Chimoio, Província de Manica

PROVÍNCIA MANICA

agricultura

Malária nas populações móveis de MOSASWA e E5 Áreas fronteiriças das Províncias de Maputo, Manica e Tete.
Outros dados relevantes:: outros países envolvidos no projecto de eliminação da malária: África do Sul, Swazilândia, Botswana, Zimbabwe, Zâmbia.

PROVÍNCIA SOFALA

agricultura

Escola de Professores do Futuro 11 Escolas de Professores do Futuro

agricultura

Colégio Politécnico de Nhamatanda: Nhamatanda, Província de Sofala

PROVÍNCIA SOFALA

agricultura

Clube de Agricultores Nhamatanda - desenvolvimento de valor em cadeia

agricultura

Clube de Agricultores Sofala: Distritos de Maringue e Caia na Província de Sofala

PROVÍNCIA TETE

agricultura

Escola de Professores do Futuro 11 Escolas de Professores do Futuro

PROVÍNCIA TETE

agricultura

Malária nas populações móveis de MOSASWA e E5 Áreas fronteiriças das Províncias de Maputo, Manica e Tete.
Outros dados relevantes:: outros países envolvidos no projecto de eliminação da malária: África do Sul, Swazilândia, Botswana, Zimbabwe, Zâmbia.

PROVÍNCIA TETE

agricultura

SUSTAIN, Clube de Produtores Distritos de Marara, Mágoè e Cahora-Bassa, Província de Tete,

PROVÍNCIA ZAMBÉZIA

educacao

Escola de Professores do Futuro 11 Escolas de Professores do Futuro

saude

Nikhalamo Namacurra, Província de Zambézia

PROVÍNCIA ZAMBÉZIA

educacao

Fundo Global para Combate ao Sida, Tuberculose e Malária,

saude

TCE Comunidade de Testagem Gaza

agricultura

Total Controle da Tuberculose

PROVÍNCIA ZAMBÉZIA

educacao

Clube de Agricultores Zambézia Distritos de Namacurra e Nicoadala na Província de Zambézia

PROVÍNCIA NAMPULA

educacao

Escola de Professores do Futuro 11 Escolas de Professores do Futuro

saude

Instituto Politécnico de Nacala - Nacala Porto, Província de Nampula

agricultura

Raparigas que Inspiram Nacala Porto, Província de Nampula

PROVÍNCIA NAMPULA

educacao

Total Controle da Tuberculose

educacao

PROVÍNCIA NAMPULA

educacao

Centro de Caju e Desenvolvimento Rural Distrito de Itocolo Província de Nampula

PROVÍNCIA NIASSA

educacao

Escola de Professores do Futuro 11 Escolas de Professores do Futuro

PROVÍNCIA NIASSA

educacao

TCE Comunidade de Testagem Gaza

PROVÍNCIA NIASSA

educacao

Intervenção Nutrição Comunitária Província de Niassa Província de Niassa 2017

PROVÍNCIA CABO DELGADO

educacao

Escola de Professores do Futuro 11 Escolas de Professores do Futuro

PROVÍNCIA CABO DELGADO

educacao

Projecto Hope Maputo, Inhambane e Cabo Delgado 2017

mapa
mapa
mapa
mapa

Os Nossos Projectos - Mobile

SAÚDE E BEM ESTAR

A saúde é a condição essencial para o desenvolvimento dos indivíduos, das comunidades e do país no geral, razão pela qual é também uma das áreas de intervenção da ADPP na qual trabalha em estreita parceria com o Governo de Moçambique.

Os projectos e actividades de saúde da ADPP estão baseados na comunidade, pois, acreditamos que ao dar aos membros da comunidade mais controle sobre a sua saúde, ao aprender como prevenir doenças comuns e como obter apoio do sistema de saúde pública quando necessário, estamos a garantir a prevenção e o acesso ao tratamento de doenças como o HIV/ SIDA, a tuberculose e a malária.

A ADPP tem uma longa e sólida experiência no desenvolvimento de abordagens locais para a saúde comunitária e prevenção e cuidados do HIV/ SIDA e orgulha-se de ter uma das maiores redes de funcionários e voluntários a trabalhar no campo, alcançando anualmente mais de 1,400,000 de moçambicanos com mensagens sobre saúde.

Alinhada com o SDG3 para proporcionar boa saúde e bem-estar, a ADPP tem, simultaneamente investido em reduzir a mortalidade infantil, melhorar a saúde materna e combater o HIV/SIDA, a tuberculose, a malária e outras doenças evitáveis em Moçambique, que contribuem para as altas taxas de mortalidade. A ADPP tem se especializado em trabalhar no controle e prevenção de doenças transmissíveis como o HIV/SIDA, Tuberculose e Malária, especialmente entre crianças pequenas e raparigas. Estas doenças apresentam grandes desafios na vida da população moçambicana, tanto em termos de saúde como em termos sócio-económicos.

Para a ADPP, 2018 foi um ano de muitos desafios, mas também de muitos sucessos no trabalho para melhorar a saúde e o bem-estar das comunidades, com especial enfoque nos grupos vulneráveis. As tendências e principais resultados na área da Saúde e Bem-Estar são ilustradas nestas páginas.

Total Controlo da Epidemia (TCE)

O TCE é um programa de mobilização da comunitária focada na prevenção da transmissão do HIV. O princípio básico do TCE é que apenas as pessoas podem libertar-se da epidemia do HIV. O programa mobiliza as pessoas para mudar o comportamento e utilizar serviços de saúde, como teste de HIV, tratamento do HIV, tratamento de doenças sexualmente transmissíveis e infecções oportunistas.

O TCE está alinhado com o objectivo da UNAIDS de 90-90-90 que visa assegurar que 90% das pessoas infectadas com o HIV conheçam o seu estado serológico, 90% dos infectados recebam tratamento antirretroviral, o que deve significar que 90% das pessoas em tratamento atinja a supressão viral.

A testagem está focado em grupos específicos, como por exemplo raparigas adolescentes e trabalhadoras de sexo. Pessoas estão sendo alcançadas através da testagem index e de outras formas.

De referir que a ADPP está a implementar o Programa TCE desde 2001 e até ao presente, já alcançou mais de 2 milhões de pessoas.

 

TCE – Abordagem Familiar (Gaza)

A ideia do projecto é garantir que os membros da comunidade tenham um papel activo na prevenção da disseminação do HIV e incentivar a vida positiva das pessoas já infectadas.

Isto é conseguido por 246 Oficiais de Campo que trabalham na comunidade com o aconselhamento e testagem em agregados familiares que já têm pessoas que fizeram o teste com resultado positivo na unidade de saúde (casos-índice).

Através de visitas domiciliares a 93,365 pessoas, o projecto promoveu aconselhamento e testes com base nos Casos-índice, seleccionou mulheres grávidas, bebés e crianças menores de 5 anos com desnutrição, seleccionou as famílias para tuberculose e encorajou mulheres e meninas a lidar com a violência de género.

 

Challenge TB (Nampula/ Zambézia)

A ideia do projecto é contribuir para reduzir o impacto da Tuberculose (TB) através de métodos preventivos, tratamento e atendimento de qualidade. O Projecto mobiliza os membros da comunidade para combater a TB e o HIV através de práticas de promoção da saúde e mudança de comportamento e atitudes para prevenir, diagnosticar, cuidar e tratar a TB e o HIV.

A colaboração efectiva entre as equipes do projecto e as instituições nacionais de saúde criou um impacto positivo. O projecto também garantiu a conclusão bem-sucedida do tratamento, apoiando a adesão ao tratamento e o apoio psicossocial aos pacientes com Tuberculose. O diagnóstico precoce e o tratamento precoce resultaram na redução da transmissão da Tuberculose na comunidade.

 

PASSOS (Gaza, Zambézia e Niassa)

O projecto adoptou uma abordagem direccionada para alcançar os grupos de alto risco, tal como profissionais do sexo e comunidades vulneráveis, como camionistas, migrantes, mineiros, meninas e mulheres. O pacote de serviços incluiu várias metodologias e ferramentas de prevenção do HIV, sua ligação a ITSs, consultas de HIV e TB, gestão de parceiros, redução de estigma e apoio à subsistência para os membros das comunidades alvo.

 

HOPE

O objectivo geral do projecto é contribuir para a diminuição da taxa de infecção do HIV. Através da abordagem do Caso-Índice, as pessoas vivendo com o HIV são identificadas e oferecidas serviços de aconselhamento e testagem para assegurar que todas as pessoas com resultados positivos no teste de HIV iniciam tratamento e assim controlam a doença e diminuem as novas infecções.

O projecto serve a comunidade como uma extensão do serviço de saúde e ajuda a aumentar a consciencialização e conhecimento sobre o HIV/SIDA, TB e violência baseada no género. A abordagem baseada no caso índice contribuiu significativamente para reduzir a propagação do HIV e da TB, já que muitos coabitantes foram atingidos a tempo e foram encaminhados às unidades sanitárias.

 

VIVA+ Prevenção do HIV, Violência de Género e Promoção dos Direitos Humanos Femininos (Maputo, Gaza e Inhambane)

A ideia do projecto é promover a prevenção do HIV para meninas de vários grupos etários, incluindo jovens meninas de 10 a 14 anos, adolescentes de 15 a 19 anos e mulheres jovens de 20 a 24 anos. As actividades são uma combinação de prestação de serviços de saúde amigáveis, fortalecimento de instituições que fornecem serviços para adolescentes, além de promover mudanças de comportamento, incentivar a participação em clubes e oferecer treinamentos vocacionais para o grupo de idosos.

 

Projectos de Malária

A malária ainda é uma das causas mais importantes de doença e morte em África. Em Moçambique, de acordo com o Relatório de 2018 da OMS sobre a Malária, havia 10 milhões de casos de malária em 2017 e quase 15,000 mortes.

Os projecto de prevenção da malária procuram reduzir o elevado fardo da doença, ensinando as comunidades a tomar medidas para combater a malária, implementando acções de prevenção nos seus lares e comunidades e procurando tratamento precoce nos centros de saúde.

 

Eliminação 8

A Iniciativa de Eliminação da Malária da África Austral 5 (E5) é um esforço coordenado de oito países para atingir a meta histórica de eliminar a malária em 8 países da África Austral ((Botswana, Namíbia, África do Sul e Suazilândia, Angola, Moçambique, Zâmbia e Zimbabué) até 2030.

Em Moçambique as actividades são realizadas ao longo das regiões fronteiriças compartilhadas, nas províncias de Manica e Tete.

Através de uma estratégia de eliminação progressiva, o limite da transmissão da malária avança até que a região esteja livre de malária. Esta abordagem coordenada regionalmente é fundamental para alcançar o sucesso na eliminação da malária.

 

MOSASWA

O projecto pretende implementar medidas de controlo da malária nas áreas fronteiriças entre Moçambique, África do Sul e Suazilândia, com o objectivo de apoiar os esforços para eliminar a ocorrência da malária na Suazilândia e África do Sul.

Com as actividades centradas nos distritos  fronteiriços de Namaacha, Matutuine e Boane, o projecto testa, trata e rastrea a malária através da criação de postos de diagnóstico e tratamento e a realização de actividades de divulgação nas comunidades.

 

Projecto de Prevenção da Malária

Este projecto é implementado nas províncias de Nampula e Niassa em estreita colaboração com o Programa Nacional de Combate Malária (PNCM), do Ministério da Saúde de Moçambique, como parte do esforço dos países para combater a malária. Precisamente, uma das actividades mais exigentes será o apoio logístico aos serviços locais de saúde durante a distribuição de redes mosquiteiras tratadas com insecticida, que ocorrerá em 2019 e 2020.

O projecto também formará professores de escolas, activistas comunitários e voluntários como especialistas em defesa da malária. Esses indivíduos treinados trabalharão nas suas comunidades para transmitir mensagens de prevenção da malária, mobilizar campanhas contra a malária e realizar visitas domiciliárias destinadas a crianças, mulheres grávidas e a população em geral.

Em 2018 o projecto abarcou eventos no dia mundial da malária, realizou campanhas multimídia periódicas, spots de rádio comunitários, apoiou e facilitou acções culturais e programas escolares extracurriculares, como testes e competições de conhecimento sobre a malária.

 

Projectos de Nutrição

Nutrição Zambézia

O projecto Nutrição da Zambézia procura abordar os problemas de malnutrição que fazem parte das políticas nacionais de Redução da Pobreza e Saúde, incluindo o Plano Estratégico para a Pesca Artesanal, considerando que a pesca artesanal é relevante para a segurança alimentar em Moçambique.

O grupo-alvo do projecto são mulheres em idade reprodutiva e crianças das comunidades costeiras de famílias de pescadores de pequena escala nos quatro polos de crescimento da Província da Zambézia, nomeadamente, Cuassiane, Pebane, Zalala e Quelimane.

O principal objectivo da Nutrição da Zambézia é contribuir para a melhoria da diversidade alimentar, através da redução da alta desnutrição e melhorar os conhecimentos e práticas de nutrição entre as famílias de pescadores nos 4 pólos de crescimento seleccionados.

 

 

EDUCAÇÃO DE QUALIDADE

O Ministério da Educação de Moçambique reporta que menos da metade da população termina o ensino primário e, daqueles que terminam, apenas 8% transitam para o ensino secundário. A ADPP acredita que a educação de qualidade para todos e a promoção da aprendizagem ao longo da vida são fundamentais para que as pessoas e as comunidades tomem controlo do seu próprio desenvolvimento. A educação proporciona às pessoas as habilidades e ferramentas que precisam para navegar no mundo e capacita as comunidades para que participem activamente no desenvolvimento sustentável, ao mesmo tempo que melhoram os meios de subsistência para quebrar o ciclo da pobreza. A educação é fundamental para racionalizar comportamentos e práticas de mudança. A educação também é vital para reduzir as desigualdades e aumentar a igualdade de género. A ADPP trabalha em estreita colaboração com o Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano e tem estado na vanguarda da defesa da educação de qualidade nas últimas 3 décadas. Os programas de educação da ADPP evoluíram para atender às mudanças das necessidades no país e continuarão a fazê-lo.

Escolas formação de Professores do Futuro – EPFs

Em 2018 a ADPP continuou a ter em funcionamento 11 Escolas de Formação de Professores do Futuro (EPFs) em todas as províncias do país proporcionando e contribuindo para o aumento da qualidade da educação em Moçambique. O objectivo principal das EPFs é formar professores para as escolas primárias das zonas rurais, um factor crucial para o desenvolvimento do País. A ADPP acredita que os professores bem formados, motivados e comprometidos são essenciais para uma melhor qualidade da educação.

Resultados obtidos pelas EPFs em 2018:

Em 2018, as EPFs graduaram 1,394 professores e tiveram um total de 1,863 alunos matriculados nas escolas, das quais 8 são de formação de 1 ano e 3 de 3 anos.

Em sequência, 50,360 crianças das escolas primárias beneficiaram de métodos de ensino centrados na criança introduzidos pelos estudantes das Escolas de Formação de Professores (EPFs) durante as práticas pedagógicas.

No mesmo período, 870 estudantes e professores de 6 EPFs beneficiaram de formação sobre nutrição através do programa de nutrição “Comida para o Saber”.

A EPF Nhamatanda e Chimoio implementaram o projecto de Educação Inclusiva, que está a ser desenvolvido em 47 escolas de 4 distritos envolvendo estudantes, professores, educadores, gestores de diferentes níveis e da comunidade a favor da inclusão na educação e defesa dos direitos das pessoas com deficiência.

Rede de Professores Graduados

As EPFs abrigam a Rede de Professores Graduados que, em 2018, manteve sua força e perfil para criar uma influência positiva e motivadora para mais de 1,000 professores em todo o país. 234 graduados voluntários trabalharam em estreita cooperação com as EPFs nas suas províncias para criar iniciativas com vista a melhorar a escolaridade. No total, reuniram-se 1,137 professores durante o ano para melhorar os esforços, estratégias e meios para uma melhor qualidade de ensino e um trabalho escolar mais amplo que incluiu a produção de hortas escolares, combate ao abuso infantil, acções para manter as meninas na escola, construção de instalações de saneamento com materiais locais, fazendo móveis para as salas de aula, proporcionando uma relação de confiança com todos os alunos e pais e fazendo programas de desporto e cultura.

Mais de 6,000 livros com material de apoio ao professor foram impressos e distribuídos nas escolas. Estes livrinhos apresentam novos métodos e actividades na implementação do currículo das escolas primárias de uma forma inovadora, e foi um grande apoio para as escolas poderem elevar a qualidade do ensino.

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA / ONE WORLD (ISET/OW)

O Instituto Superior de Educação e Tecnologia/ One World oferece licenciaturas nas áreas de Pedagogia e Desenvolvimento Comunitário, tanto presencial como de Ensino a Distancia. Os cursos tem a duração de 4 anos.

O ISET/OW aplica princípios pedagógicos que permitem que os estudantes sejam a força motriz da sua própria aprendizagem durante todo curso. Os estudantes e os professores trabalham juntos em liderar com todos os aspectos de funcionamento da Instituição. Uma parte da formação consiste em viajar durante 3 ou 4 meses em África Austral para os estudantes aprender sobre as condições da vida em Moçambique e os países vizinhos. Aprendendo e trocando experiência permite os estudantes ter um maior entendimento e respeito pelas comunidades.

Em 2018 ISET/OW integrou mais 2 cursos: Licenciatura em ensino de Português no ensino a distancia e um curso de Mestrado em Pedagogia e em Didáctica.

Escolas Politécnicas

Em 2018, a ADPP manteve em funcionamento as suas três escolas de formação profissional nas províncias do norte, centro e sul do país, nomeadamente Instituto Politécnico de Nacala (Nampula), Colégio Politécnico de Nhamatanda (Sofala) e Colégio Politécnico de Maputo (Maputo Província). Nestas escolas, os alunos obtêm capacitação profissional qualificada nas áreas de Agricultura e Pecuária, Construção civil, Negócios e Administração, e Instrução Comunitária.

Estas escolas estão permanentemente num processo de evolução e adaptação às necessidades do mercado e às reformas do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional de forma a preparar e habilitar tecnicamente os jovens para futuros empregos, seja ao serem integrados no mercado de trabalho local como empregados ou através do trabalho autónomo, aumentando assim a sua renda e melhorando as suas condições de vida e de suas famílias.

Em 2018, graduaram no Colégio Poli- técnico de Maputo, 69 estudantes de nível básico, no Colégio Politécnico de Nhamatanda 36 estudantes de nível básico e do Instituto Politécnico de Nacala 39 estudantes.

Escolas primárias e secundárias

O objectivo principal das escolas primárias e secundárias da ADPP continua a ser a de oferecer educação para crianças vulneráveis e para os jovens com poucas possibilidades de entrar na escola secundária.

A ênfase é dada às habilidades para a vida, actividades desportivas e culturais visando a criação de uma escola viva e activa.

Em 2018, a ADPP teve em funcionamento duas escolas primárias com 802 alunos e duas secundárias com 1,582 alunos, totalizando 2,384 alunos.

As 2 escolas primárias da ADPP são: Cidadela das Crianças em Maputo e Formigas do Futuro em Chimoio. O programa das escolas combina o currículo escolar normal do ensino primário com a aprendizagem de habilidades para a vida.

As duas escolas secundárias leccionam o curriculum do Sistema Nacional de Educação, com actividades extra-curriculares que incluem desporto e cultura. Através deste programa é dada uma oportunidade para as crianças carentes continuarem a sua educação para melhor estarem preparadas para o  futuro.

Educação Inclusiva

As doenças de infância comuns e evitáveis no Moçambique tornam 14% das crianças entre 2 e 9 anos deficientes.

A ADPP trabalha arduamente para tornar a educação mais inclusiva e contribuir para dar a cada criança uma educação de qualidade.

Desde 2008 a ADPP tem trabalhado com parceirias na area de Educação Inclusiva nas Escolas de Formação de Professores em Nhamatanda e Chimoio, e, por que o programa é tão bem sucedido, alargou-se para a Escola de Formação de Professores de Tete em 2018.

As Escolas de Formação de Professores em Nhamatanda, têm treinado estudantes  com necessidades especiais, equipando-os com as habilidades necessárias de ensinar em escolas primárias em todo o país.

A EPF de Nhamatanda também  apoia actividades de Educação Inclusiva em 47 escolas primárias, incluindo treinamento dos Directores adjuntos destas escolas.

Aprender Brincando

A EPF em Macuse, Distrito de Namacurra, Província da Zambézia, trabalha com 14,864 crianças em 14 escolas primárias com educação inclusiva baseada no desporto e no jogo ou, “Aprender Brincando”. O projecto oferece formação e orientação para professores, dissemina materiais de ensino e aprendizagem em metodologias baseadas nos jogos educativos. O projecto promove a aprendizagem orientada para a acção, que ocorre através de actividades desportivas e baseadas no jogo que têm foco físico, cognitivo, social e emocional. Os jogos e brincadeiras são também usados como um incentivo para envolver as comunidades nas questões-chave que afectam a educação.

Comida para o Saber

A ADPP continuou a implementar o projecto de Alimentação Escolar – Comida para O Saber – um projecto de educação e nutrição na Província de Maputo. O ano de 2018 foi o terceiro ano da segunda fase do projecto, cuja implementação cobre o período 2016-2020. Abrangendo os distritos de Manhiça, Matutuine, Moamba e Magude, o projecto distribuiu até ao fim do mês de Setembro 8,071,862 refeições diárias de CSB+ (mistura de farinha de milho e soja fortificada com vitaminas e minerais) aos 83,269 alunos em 271 escolas.

70 Escolinhas

O principal objectivo do projecto das 70 Escolinhas é fortalecer a capacidade das famílias e das comunidades rurais de promover o Desenvolvimento Integral da Criança em Idade Pré-escolar com a sensibilização dos pais e membros da comunidade sobre a importância do investimento inicial no crescimento e desenvolvimento saudável das crianças.

Em 2018, o Projecto encontrava-se na sua segunda e última fase, visando uma sólida transferência das 70 pré-escolas para as comunidades. As 70 escolinhas foram construídas e estão em funcionamento.

A estrutura organizativa baseia-se nos Comités de Coordenação da Comunidade, que são organizados e treinados para cuidar das pré-escolas, e no treinamento de facilitadores no desenvolvimento infantil holístico.

Uma ampla gama de actividades foi implementada para construir a sustentabilidade em relação às actividades com as crianças, produção de materiais de ensino e aprendizagem, manutenção e protecção das pré-escolas e equipamentos, captação de recursos locais e muito mais.

No Caminho da Cidadania

Este projecto, que terminou em 2018, visava promover o conceito e a cultura de cidadania entre os jovens dos 9 a 17 anos de idade com particular enfoque na província de Maputo, Distrito da Matola, envolvendo 10 escolas primárias e secundárias.

O projecto abrangeu directamente 1,500 pessoas e indirectamente 8,500 pessoas e conseguiu atingir os objectivos de aumentar a capacidade das instituições educacionais com vista a educar os jovens cidadãos para obterem uma consciência dos seus direitos, obrigações e riscos, tais como drogas e álcool, através da formação de professores e directores. Os jovens foram capacitados para expressar as suas opiniões e defender os seus direitos, envolver-se na governação local e nos processos de tomada de decisões e na busca de assistência em organizações e redes relevantes para realizar projectos e ideias. O projecto também se envolveu com redes e fóruns da sociedade civil existentes e com os mídias para o exercício e a promoção da cidadania.

Raparigas que Inspiram

O projecto “Raparigas que Inspiram” procura acabar com o ciclo do Casamento Precoce e Forçado de Crianças e abordar as barreiras que impedem a participação económica de mulheres e meninas. Para tal, o projecto apoia a educação e desenvolvimento de competências nestas mulheres e raparigas mais vulneráveis e difíceis de alcançar através de um ensino aberto, com recurso a tecnologia, possibilitando assim a aprendizagem à distância. O projecto baseia-se na forte crença de que oferecer oportunidades de ensino a mulheres e meninas vulneráveis é um dos melhores investimentos para o desenvolvimento sustentável do país.

Nos dois anos em que esteve em operação (2016-2018), o projecto obteve ganhos significativos ao proporcionar às meninas e jovens mais vulneráveis a aprendizagem de habilidades para a vida, capacitação pessoal, participação social, liderança, alfabetização, capacidade de tomar decisões,  levando assim ao seu empoderamento económico e acesso ao conhecimento e informação em saúde e direitos sexuais e reprodutivos, o que aumentou a auto-confiança das mulheres e meninas.

“Raparigas que Inspiram” conduziu cursos curtos de habilidades vocacionais que foram desenvolvidos em resposta à demanda do mercado de habilidades de Nacala. Assim, em 2018, 1,434 mulheres e meninas vulneráveis foram formadas em habilidades para empregabilidade e empreendedorismo o que as levou a diminuir a sua vulnerabilidade no ciclo do Casamento Precoce e Forçado de Crianças e garantir uma melhoria das condições económicas e de saúde destas raparigas, dos seus filhos e das raparigas na sua rede social.

NIKHALAMO – Rapariga Fica na Escola

NIKHALAMO é um projecto de quatro anos, lançado oficialmente em 2014, pela ADPP em parceria com a Girl Child Rights (Direitos da Rapariga) no Distrito de Namacurra, Província da Zambézia. O seu objectivo é melhorar os índices de retenção escolar e conclusão das últimas classes do ensino primário do primeiro ciclo e garantir a transição das meninas vulneráveis para o ensino secundário.

O projecto funciona em 18 escolas primárias e 3 escolas secundárias para atingir um número aproximado de 20,000 membros da comunidade.

Durante o ano de 2018, 415 meninas vulneráveis foram apoiadas através do Community Block Grant para transitar do ensino primário para o secundário. As doações também foram usadas para comprar uniformes escolares e pensos higiénicos para meninas vulneráveis, o que contribuiu para a retenção e o aumento da frequência escolar.

O projecto revitalizou 21 círculos de leitura e estabeleceu 5 novos nas escolas primárias como forma de melhorar o desempenho académico dos alunos. 200 Mentores de Meninas forneceram orientação e apoio psicossocial a meninas vulneráveis, permitindo-lhes abordar vários assuntos, por exemplo, adolescência, orfandade e abuso sexual.




MEIO AMBIENTE E AGRICULTURA SUSTENTÁVEL

Melhorar a segurança alimentar por meio da agricultura sustentável nos motiva a fortalecer a capacidade dos pequenos agricultores com quem trabalhamos, pois, para nós, a agricultura é um elemento essencial para reduzir a pobreza e estimular o crescimento económico.

Por meio dos nossos programas, ao longo dos anos a ADPP implementa iniciativas de agricultura familiar que visam levar soluções sustentáveis aos pequenos agricultores.

Considerado como a base para o desenvolvimento do país e factor decisivo na diversificação da economia, o sector da agricultura é um estimulador do desenvolvido de outros sectores económicos através da criação de excedentes que podem ser transformados e comercializados.

Apesar do enorme potencial agrícola do país, os níveis médios de produção permanecem muito baixos e são extremamente vulneráveis às mudanças climáticas. Em grande parte, isto deve-se ao uso disseminado de métodos tradicionais de agricultura, falta de recursos agrícolas, falta de infraestrutura e assistência técnica e acesso limitado aos mercados, o que perpetua um ciclo vicioso de pobreza nas áreas rurais e faz com que a segurança alimentar do país permaneça altamente volátil.

A ADPP adoptou uma abordagem que visa capacitar os pequenos e médios agricultores a transformarem a agricultura numa actividade competitiva e sustentável que melhore a segurança alimentar global e aumente o rendimento dos agricultores e das famílias rurais através do Clube dos Agricultores e dos Clubes de Produtores, pois, acreditamos que aumentando as receitas, garantimos uma vida melhor para todos os adultos e crianças, contribuindo, deste modo, para a redução da pobreza no meio rural.

O objetivo do Programa de Clubes de Agricultores da ADPP é aumentar a segurança alimentar e a renda familiar entre as populações rurais, organizando pequenos proprietários em clubes de agricultores, treinando-os em técnicas eficientes de agricultura de conservação e agroflorestais, irrigação, armazenamento e processamento de cultivos e fortalecimento de sua entrada nos mercados locais e regionais através de crescentes vínculos de mercado, cadeias de valor e treinamento na comercialização de seus produtos, preços e marketing. Isto é feito através da mudança de uma agricultura baseada em métodos agrícolas tradicionais para uma agricultura inteligente em termos climáticos, aumentando assim a produtividade, os lucros e a segurança alimentar, ao mesmo tempo que se preserva o meio ambiente.

Através da teoria e prática, os agricultores aprendem sobre o impacto negativo no meio ambiente de algumas das suas práticas e de formas sustentáveis de mitigar os efeitos do aquecimento global, garantindo assim a segurança alimentar das suas famílias. No campo, isso significa que os clubes promovem a agrosilvicultura, enquanto os projectos fornecem acesso a dispositivos que economizam energia, como fogões poupa-lenha, e encorajam negócios de pequena escala pelas comunidades rurais.

A ADPP vê o desenvolvimento social e económico como um processo holístico e, consequentemente, a nossa missão ficaria incompleta se não apoiássemos também os agricultores moçambicanos a aumentar a sua participação no mercado e respectivas oportunidades. Somente quando as famílias forem autossuficientes em termos agrícolas e em termos económicos para puderem aceder a uma nutrição, saúde e educação de qualidade, poderemos dizer que estamos a inverter o ciclo da pobreza. 2018 foi um ano em que foram dados grandes passos neste sentido ao capacitar os agricultores moçambicanos e as suas famílias.

CLUBES DE AGRICULTORES DE SOFALA E ZAMBÉZIA

Este projecto, de 4 anos (2014-2018), foi financiado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros da Finlândia e implementado nos distritos de Marínguè, Caia, Namacurra e Nicoadala.

O seu objectivo geral era reduzir a pobreza rural e melhorar a vida de 14,769 agricultores de pequena escala e suas famílias nos distritos seleccionados através do desenvolvimento de agricultura de pequena escala e do aumento da riqueza de agregados familiares agrícolas de uma forma sustentável.

Um foco especial foi dado às mulheres como produtoras primárias, famílias chefiadas por mulheres e jovens agricultores, homens e mulheres.

No período de 2014 a 2018, o projecto concentrou as suas actividades nas seguintes vertentes:

  • • Melhorar a segurança alimentar através do fortalecimento da diversificação e produtividade agrícola
  • • Componente de marketing e microfinanciamento: melhoria do acesso a mercados e recursos financeiros
  • • Componente de meios de subsistência das famílias: melhorando as condições ambientais, de água e saneamento e aumentando a consciencialização sobre a saúde para os agricultores e suas famílias.

CLUBES DE PRODUTORES DE TETE

O projecto  Clube de Produtores visa responder às pressões das mudanças climáticas nas vidas das comunidades em três distritos-alvo da Província de Tete. O projecto é implementado em cooperação com a IUCN, a União Internacional para a Conservação da Natureza e as autoridades locais desde agosto de 2016. A estrutura organizacional do projecto foi estabelecida e 40 Clubes de Produtores foram criados e estão em funcionamento.

O Programa trabalha com 2,000 famílias nos distritos de Marara, Cahora Bassa e Mágoè e o seu objectivo principal é promover a sinergia entre os recursos da natureza e a forma como se pratica agricultura e pesca, no intuito de aumentar a produção e a renda dos agricultores. O programa concentra-se na introdução de práticas de gestão de água e paisagem resilientes ao clima que criem um crescimento económico sustentável nas comunidades, com parceiros privados e instituições públicas envolvidas.  Para tal, foca-se em: 1) melhorar a gestão dos recursos hídricos e a segurança hídrica; 2) melhorar a gestão dos recursos da terra e melhorar a resiliência às mudanças climáticas entre as famílias e comunidades de agricultores; 3) promover novos investimentos e parcerias comerciais na gestão de ecossistemas e recursos hídricos; 4) contribuir para o diálogo político, a formulação de políticas e a partilha de aprendizagem e experiência para promover o crescimento verde no corredor do Vale do Zambeze.

O projecto já alcançou muito em termos de mudança de comportamento através do treinamento das comunidades sobre como ser auto-suficiente e ter maior responsabilidade na conservação da natureza. Os produtos florestais não-madeireiros (cadeias de valor identificadas de produtos de mel e baobá) também estão a ser vendidos através do parceiro de projecto MICAIA. Também os planos de reflorestamento estão em curso para influenciar a mudança de comportamento dentro das comunidades, juntamente com os líderes locais e em torno das escolas. As comunidades protegem-se agora contra o corte desnecessário de árvores e trabalham para reduzir ou produzir carvão de maneira sustentável. O projecto envolveu comités de recursos naturais e comités consultivos nas comunidades para trabalhar com o projecto na preservação de florestas naturais através do programa governamental de “um líder, uma floresta”. Os clubes de pesca organizados receberam barcos com materiais de pesca completos depois de contribuir com fundos para pagar os barcos de pesca e o restante será pago à medida que os grupos continuarem a pescar. Os fundos colectados pelos grupos de poupança serão usados para comprar mais barcos para outros grupos no futuro.

CENTRO DE CAJÚ E DESENVOLVIMENTO RURAL DE ITOCULO

O Centro de Caju e Desenvolvimento Rural de Itoculo, localizado na província de Nampula, tem como objectivo, promover a produção de caju e o desenvolvimento rural na província. O centro possui uma plantação de 130 há com 11,500 cajueiros, unidades de processamento da castanha de caju e um centro de formação para produtores locais de caju.

De modo a tornar o projecto mais sustentável, o Centro de Treinamento de Caju treinou 1,670 pequenos agricultores de caju em matérias de boas práticas e uso de tecnologia apropriada para a produção da castanha de caju. O treinamento é desenvolvido com o apoio de vários parceiros em colaboração com a INCAJU com vista a ajudar aos produtores a melhorar cada vez mais a sua produção.

Em 2018 foram colhidas 45 toneladas de castanha de caju, dos quais 11 ton de caju bruto foram vendidas, 26,5 ton processados. No mesmo ano, o centro processou 1,800 litros de suco de caju.

PROJECTO COMUNITÁRIO DE TECNOLOGIAS DE SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO E BOMBA SOLAR

O projecto é financiado pela UNIDO e implementado pela ADPP em conexão com os Clubes dos Agricultores e Productores. Trata-se de um projecto comunitário relacionado com as tecnologias de sistemas de irrigação bomba solar para garantir o aumento da produção e produtividade dos pequenos agricultores e opera no distrito de Nhamatanda, nas localidades de Metuchira, Nhampoca e posto administrativo de Tica contando com o total de 1750 agricultores de pequena escala ao nível do distrito.

Notícias

noticias adpp
Agricultura

Headline / Título de Notícia segue aqui com 38pt

Fusce aliquam vel mauris quis dapibus. Sed at sollicitudin mi, quis cursus nisl. Sed ac lacinia libero, a lacinia eros. Cras pretium, urna ac suscipit tempor, elit odio elementum elit, non ultrices libero lorem vehicula nisl. Duis rhoncus scelerisque eros, vestibulumm

Ler mais
noticias adpp
Saúde

Headline / Título de Notícia segue aqui com 37pt

Fusce aliquam vel mauris quis dapibus. Sed at sollicitudin mi, quis cursus nisl. Sed ac lacinia libero, a lacinia eros. Cras pretium, urna ac suscipit tempor, elit odio elementum elit, non ultrices libero lorem vehicula nisl. Duis rhoncus scelerisque eros, vestibulumm

Ler mais
Topo