Há melhorias de alimentação em Mecuburi

Micucué, Distrito do Lago, Província de Niassa, MoçambiqueDez2017.Demostração e preparação culinária. Adicionando produtos locais pode aumentar o valor nutricional das tradicionais receitas. Novos Ingredientes: hortaliças, sementes de abódora, amendoim , banana, mandioca, malame, ovos, folha de mandioca, leite coco, sal, açúcar, banana frita, salada de tomate, sumo de batata doce, limão, entre outros.
Preparação e ensinamentos sobre papas enriquecidas. Trabalho direto com benificiárias e as mães líderes. Estas irão demostrar a outras mães da comunidade que não puderam estar presentes. 
O manual utilizado foi criado pela ADPP para apoiar a formação dos benificiários. Está dividido por temas mensais: A roda do alimentos, higiene pessoal e da casa, agricultura, preparação de alimentos, receitas tendo em conta os produtos locais, entre outros

As comunidades do distrito de Mecuburi, a par de outras 12 da província de Nampula, estão a beneficiar do projecto Transform Nutrition que visa essencialmente melhorar o estado nutricional de 118.000 mulheres grávidas e lactantes, 260.000 raparigas adolescentes e 165.000 crianças com menos de 2 anos.

Iniciado em finais de 2019, o projecto da USAID implementado pelo consórcio liderado pela ADPP Moçambique em cooperação com a Associação h2n, Universidade Lúrio (UniLúrio) a Viamo e a Aliança Global para a Melhoria da Nutrição (GAIN), seus efeitos já se fazem sentir no seio das comunidades beneficiárias. Amélia José, é uma jovem de 32 anos de idade residente no distrito de Mecuburi e beneficiária do projecto.

Para a Amélia, o projecto Transform Nutrition, trouxe para si informações valiosas sobre Nutrição, o que de certa forma está melhorando a sua saúde e a dos seus filhos. Segundo ela, e mesmo considerando que antes da intervenção do projecto tinha algum conhecimento sobre alimentação saudável, a sua alimentação mudou bastante, pelo facto de ter feito uma horta na sua casa, o que faz com que adquira alguns alimentos directamente da sua casa, facto que permite maior diversificação de alimentos, o que não acontecia antes.

“Graças ao projecto, consegui ultrapassar alguns tabus relacionados à proibição do consumo de alguns alimentos pelo facto de ser gestante, como as folhas da mandioqueira e o ovo”.- Conta Amélia.

Nestes 5 meses de participação no projecto, a Amélia conseguiu construir uma copa e uma horta. E mesmo assim, o seu desejo é de continuar a implementar as sugestões deixadas pela sua mentora, sendo que neste momento têm pensado na criação de animais domésticos.

De acordo com o projecto o que acontece na casa da Amélia replica-se por tantos outros que vendo o sucesso da sua implementação, decidem aderir aos ensinamentos de modo a melhorar não só a sua alimentação, mas também a qualidade de vida.

Importa referir que o objectivo do projecto é reduzir o atraso de crescimento e melhorar o estado nutricional de mulheres grávidas e lactantes, crianças com menos de dois anos e raparigas adolescentes.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email